PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

Para você, Telê foi o melhor técnico de todos os tempos?

Conteúdo exclusivo para assinantes

Milton Neves

27/07/2021 16h25

Se vivo fosse, o inesquecível Telê Santana teria comemorado na última segunda-feira (26) 90 anos.

Natural de Itabirito-MG, o genial treinador iniciou a sua trajetória no futebol como ponta-esquerda, no Itabirense Esporte Clube, posteriormente, ainda como juvenil, defendeu o América de São João del-Rei.

Depois disso, deixou Minas Gerais para fazer história com a camisa do Fluminense.

Quando deixou as Laranjeiras, teve ainda modestas passagens pelo Guarani, pelo Madureira e pelo Vasco.

Mas Telê se tornou um nome verdadeiramente expressivo do futebol depois que pendurou as chuteiras.

Primeiramente, no seu Fluminense, onde ganhou o Campeonato Carioca de 1969 e estruturou o time que foi campeão brasileiro na temporada seguinte.

Na sequência, brilhou no Galo, no São Paulo (teve uma primeira passagem "ok"), no Botafogo, no Grêmio e no Palmeiras, quando conseguiu realizar o seu maior sonho: o de chegar à seleção.

O resto da história – e que história! – vocês já estão cansados de saber.

Tanto pelo escrete canarinho quanto pela verdadeira seleção montada por ele no São Paulo FC, que dominou o mundo no início dos anos 90.

Por essa fama internacional conquistada com a seleção brasileira e com o Tricolor, Telê vive sendo lembrado por especialistas estrangeiros como um dos melhores técnicos de todos os tempos.

Por aqui, no Brasil, muitos são os que consideram o treinador como o número 1.

Você concorda?

Telê seria o escolhido para dirigir a sua "seleção dos sonhos"?

Abaixo, muitas e muitas fotos trajetória de Telê Santana:

Telê Santana desfila com seu carrão. Foto: Reprodução do "Blog Tardes do Pacaembu"

 

Da esquerda para a direita: Telê Santana, Waldo, Léo Briglia, Jair Francisco e Escurinho. Foto enviada pelo historiador Roberto Saponari

 

Telê Santana, Luis Alfredo, Osmar de Oliveira, Orlando Duarte e Carlos Alberto Torres, comentando os resultados da Copa de 1994

 

Telê, de boné branco, posa para foto ao lado de torcedores. O garoto, à esquerda, é Netto Neves, filho de Milton Neves

Mário Pedro (o Marinho) está à direita, ao lado de Telê Santana. Marinho jogou no Bauru A.C, Noroeste, Fluminense-RJ, Gênova (Itália) e Santa Cruz-PE. Foto: Jornal da Cidade, Bauru, dezembro de 2012

Vital Battaglia e Telê Santana em frente ao Hotel Parador de Carmona, em Sevilha, na Espanha, durante a Copa de 1982. Foto: arquivo pessoal de Vital Battaglia

Castilho e Telê Santana atuaram juntos no Tricolor das Laranjeiras. Foto: Reprodução/A Gazeta Esportiva

A edição de agosto de 2012 da Revista Placar (1369), trouxe com grande destaque, a coluna "Causos do Miltão", que conta a divertida história de um jantar com jornalistas, dirigentes, ex-jogador e o saudoso técnico Telê Santana. Foto: Reprodução Placar

Foi o técnico da Seleção Brasileira na Copa de 82. Foto reprodução da Revista Placar

Em pé, da esquerda para a direita: Aragones, Carlos Caboclo, José Dias, Eduardo, Telê Santana, Dr. Eldio, Fernando Casal de Rey e Dr. Turíbio. Sentados: Moracy Santana, Valdir Joaquim de Moraes e Cerpa. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Da esquerda para a direita, o primeiro é o repórter Francisco José, Gilberto Tim é o segundo, Telê Santana o terceiro, Nabi Abi Chedid é o quinto, o sexto é José Maria Marin, Moracy Santana é o nono, Vadir Joaquim de Moraes o décimo, Nocaute Jack o décimo segundo, Lucas Neto o penúltimo e o último é Sócrates. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Da esquerda para a direita: Turibio Leite de Barros Neto, Moracy Santana, Valdir Joaquim de Moraes, pessoa não identificada, Telê Santana, o massagista Hélio, Oscar e Altair Ramos. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Na fileira de cima, da esquerda para a direita, o terceiro é Édson Boaro, seguido por Valdo, Zico, Edivaldo, Josimar, Elzo, Muller e Gata Mansa. Na fileira de baixo, aparecem Silas, Careca, Paulo Vitor, Leão, Júnior, Alemão, Mauro Galvão, Branco e duas pessoas não identificadas. Na fileira de baixo, o segundo é Nocaute Jack, Falcão, Oscar, Edinho, Carlos, Sócrates, Júlio César, Mozer, Casagrande e Lucas Neto. Sentados, aparecem Moracy Santana, Valdir Joaquim de Moraes, Neylor Lasmar, Telê Santana, Nabi Abi Chedid, José Maria Marin, pessoa não identificada, Gilberto Tim e mais três pessoas não identificadas. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Da esquerda para a direita: Valdir Joaquim de Moraes, Telê Santana e Moracy Santana. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Na imagem, os grande parceiros Valdir Joaquim de Moraes e Telê Santana. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Em algum estádio brasileiro, Valdir Joaquim de Moraes e Telê Santana aparecem conversando. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Os amigos Valdir Joaquim de Moraes e Telê Santana aparecem conversando na porta do vestiário de algum estádio brasileiro. Foto: Arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Preparando-se para a Copa da Espanha, em 1982. Em pé, Júnior, Sócrates e Cerezo. Sentados: Telê Santana, Edinho e Zico. Reprodução/In My Ear

Telê segurando a taça quando venceu o Bi-Campeonato em Tóquio, em 1993. Foto: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê com os quatro goleiros da Copa do Mundo disputada no México, da esquerda para a direita, o primeiro ajoelhado é Émerson Leão, em pé, Carlos Roberto Gallo e Paulo Víctor Barbosa de Carvalho, seguido de Gilmar, que acabou sendo cortado durante o Mundial. Foto: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê abraça Zezé Moreira, seu olheiro durante a Copa da Espanha de 1982. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

A escalação do Grêmio campeão estadual em 1977. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

O dirigente José Douglas Dallora recebe Telê Santana que chegava para assumir o São Paulo no final do ano de 1972. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê faz embaixadinha vestindo a camisa do Guarani de Campinas, clube por onde teve curta passagem antes de encerrar sua carreira profissional. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Zezé Moreira (direita), o técnico que lançou Telê no profissionalismo, na chegada de mais uma excursão do Fluminense em 1960. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê e sua esposa Ivonete no dia do seu casamento, na década de 50. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Ambróis (à direita), meio campista da seleção uruguaia, contratado em 1954 e Didi (centro), ao lado de Telê. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê sempre foi fã de Ademir de Menezes (o terceiro agachado da esquerda para a direita) e jamais sonhou jogar ao seu lado. Em 1952 formou o ataque da seleção carioca com o craque vascaíno. É o primeiro da esquerda, agachado. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê e equipe tetra-campeã juvenil pelo Fluminense, em 1950. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Em pé, da esquerda para a direita: Píndaro, Vitor, Edson, Castilho, Pinheiro e Bigode. Agachados, da esquerda para a direita: Telê, Orlando Pingo de Ouro, Carlyle, Didi e Robson. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

João Veríssimo, mais conhecido como seu Zico, o pai de Telê, ao lado de Marialva, uma das irmãs. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Telê foi convocado várias vezes para formar o ataque da seleção do interior de Minas Gerais. Na imagem, é o terceiro depois do homem de chapéu, técnico do time. Foto e informações: "Fio de esperança – Biografia de Telê Santana"

Da esquerda para a direita, em pé: Clóvis, Jair Marinho, Edmilson, Altair, Castilho e Pinheiro. Agachados: Maurinho, Paulinho Ladrão, Waldo, Telê Santana e Escurinho. Foto enviada por José Alves

Da esquerda para a direita, em pé: Silvio Pirilo, Vitor Gonzalez, Clóvis, Beto, Jair Santana, Roberto, Alberto, Pinheiro, Ivan, Altair, Jair Marinho, Waldo, Cacá, Castilho (não participou do torneio porque estava se recuperando de cirurgia, pois havia amputado um dedo de uma das mãos). Agachados: Escurinho, Telê, Léo, Alecir, Paulinho, Dejair, Jair Francisco, Osvaldo e Robson. Foto enviada por José Alves

No Hall da Fama do Galo. Reprodução do site www.contagiandomultidoes.com

Da esquerda para a direita, em pé: Getúlio, Edson, Pinheiro, Veludo, Lafaiete e Victor. Agachados: Telê Santana, Robson, Waldo, Didi e Escurinho

Da esquerda para a direita, em pé: Clovis, Jair Marinho, Edmilson, Altair, Castilho e Pinheiro. Agachados: Telê Santana, Paulinho Ladrão, Humberto Tozzi, jogador não identificado e Hilton Oliveira

Marcaram época no Fluminense. Foto: Revista do Esporte

Ex-ponta-direita do Fluminense. Foto: Revista do Esporte

Maurinho e Telê Santana posam com o uniforme do Fluminense. Foto: Reprodução/Revista do Esporte

Nos tempos em que defendeu o Flu. Foto: Revista do Esporte

Da esquerda para a direita, em pé: Clóvis, Édson, Lafaiete, Castilho, Pinheiro e Bigode. Agachados: Telê Santana, Didi, Waldo, Waldemar e Escurinho

Da esquerda para a direita estão, Sócrates, Telê Santana e Zico. Foto: iG

Telê Santana em pé, comanda treino no clube mineiro. Suas ordens eram observadas com extrema atenção pelos jogadores. Foto: iG

Telê Santana exibe a faixa de Campeão da Libertadores da América. Foto: iG

No Japão, em 1993, ao lado de Telê Santana. Foto: arquivo pessoal de Dirceu Cabral

Raí e Telê Santana com a taça de mais uma conquista do Tricolor. Ao fundo vemos Pintado. Foto: Site oficial

Em pé, da esquerda para a direita: Nelinho, João Leite, Luizinho, Vantuir, Cincunegui e Toninho. Agachados: Oldair, Paulo Isidoro, Reinaldo, Dario e Éder. Técnico: Telê Santana. Foto: Revista Placar

Em pé, da esquerda para a direita: Moscatto, o massagista Hélio, Alemão, Dr. Sanchez, André Luiz, Nelson, Ailton, Donizete, Rogério Ceni, Zetti, Bentinho, Rogério Pinheiro, Medina e Telê Santana. Agachados: Ronaldo Luís, Denilson, Pereira, Cláudio, Caio (sentado), Palhinha, Altair Ramos, Sierra, Júnior Baiano, Ailton, Juninho e Jair. A foto nos foi enviada por José Augusto Moscatto

Jogo realizado em 15 de abril de 1959. Na ocasião, a equipe do Fluminense bateu o Corinthians por 5 a 1, pelo torneio Rio-São Paulo. Da esquerda para a direita: Clovis, Edmilson, Castilho, Jair Marinho, Altair e Pinheiro. Agachados: Telê, Paulinho, Waldo, Breno e Escurinho

Veja o clima de festa em São Paulo após o Palmeiras derrotar o Flamengo por 4 a 1 no Maracanã. A vitória ratificou a contratação do Mestre Telê para a Seleção Brasileira. Foto enviada por Adriano Reale

Veja o clima de festa em São Paulo após o Palmeiras derrotar o Flamengo por 4 a 1 no Maracanã. A vitória ratificou a contratação do Mestre Telê para a Seleção Brasileira. Foto enviada por Adriano Reale

Veja Telê Santana e o clima de festa em São Paulo após o Palmeiras derrotar o Flamengo por 4 a 1 no Maracanã. A vitória ratificou a contratação do Mestre Telê para a Seleção Brasileira. Foto enviada por Adriano Reale

A comissão técnica e os jogadores acompanhando um jogo durante a preparação brasileira para a Copa da Espanha. Na primeira fileira, da esquerda para a direita: Valdir Joaquim de Moraes, Moraci Santana e Telê Santana. Atrás estão Tita, Luisinho e Edvaldo. Na terceira fileira, Getúlio, Sócrates e Zé Sérgio. Mais acima, Oscar e Batista. Foto: arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Três ex-craques: Pedro Rocha, Valdir Joaquim de Moraes e Telê Santana. Foto: arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

No Uruguai, o Brasil disputou o Mundialito, entre dezembro de 1980 e janeiro de 1981. O Uruguai ficou com o título, derrotando o Brasil por 2 a 1, na final. Nesta linda foto, durante um treino, Telê Santana ouvia música em seu gigantesco walk-man, recostado em um saco de bolas. Ao seu lado, o preparador de goleiro Valdir Joaquim de Moraes. Foto: arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

No gramado do Palestra Itália, Telê Santana e Valdir Joaquim de Moraes. Foto: arquivo de Valdir Joaquim de Moraes

Quando a Seleção Brasileira jogou em Maceió, Márcio Canuto entrevistou o técnico Telê Santana. Foto reprodução do site www.museudosesportes.com.br

Telê Santana sendo entrevistado por duas moças, uma delas com um gravador daqueles de fita cassete. À direita, com agasalho vermelho do Tricolor, está o então diretor de futebol Kalef João Francisco

Netto Neves, Telê Santana e Rafael Neves em foto da década de 90

Netto Neves (filho de Milton Neves) e Telê Santana, ao lado de dois homens não-identificados.

A foto é do livro "Vai dar Zebra", de José Rezende Raymundo Quadros

Gol de Placa – Criação de Joelmir – Até o filme "Pelé Eterno" fica com ciúmes dessa seqüência de fotos que retrata tão bem o histórico gol de placa de Pelé, em Castilho do Flu, no dia 5 de março de 1961 no Maracanã, pelo Torneio Rio-São Paulo. O número 6 do Tricolor é Clóvis, ex-Guarani, e veja nas fotos acima Pelé cercado por até 6 (seis) jogadores do Flu e vence a todos. Acompanham também o genial lance Pinheiro, Dorval e Coutinho. Tinha mesmo que ter nascido ali o "gol de placa", criação do então jornalista esportivo Joelmir Beting. As fotos são do livro "Eu sou Pelé", de Benedito Ruy Barbosa, editado em 1961, sendo a primeira obra específica em livro sobre o Rei do Futebol.

5 de março de 1961

Competição: Torneio Rio São Paulo.

Fluminense 1 x Santos 3.

Gols de : Pelé. Pelé. Pepe e Jaburu.

Local: Maracanã.

Árbitro: Olten Ayres de Abreu.

Renda: 2.685.317,00

Santos: Laércio, Fioti, Mauro, Calvet e Dalmo; Zito e Mengalvio (Nei); Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe (Sormani).

Fluminense: Castilho, Jair Marinho, Pinheiro, Clovis (Paulo) e Altair; Edmilson e Paulinho; Telê Santana (Augusto), Valdo, Jaburu e Escurinho.

Stefan entre dois monstros sagrados do futebol: Dino Sani, e Telê Santana, o "Fio de Esperança", no Morumbi

Este é o Fluminense vice-campeão carioca de 1957. Em pé estão Vitor Gonzales, Pinheiro, Altair, Jair Santana, Roberto e Castilho; ajoelhados estão Paulinho, Paulo (lateral, reserva de Altair), Jair Francisco, Cacá e Robson; sentados estão Clóvis, Valdo, Telê Santana, Léo e Escurinho

Tite, Telê Santana e Negreiros (com o copo na mão), durante um churrasco na cidade de Águas de São Pedro-SP. A foto, tirada nos anos 90, foi eviada por Hélio Girardi.

Telê Santa, ao lado do amigo Hélio Ghilardi, durante um churrasco na cidade de Águas de São Pedro-SP nos anos 90.

Vilson trabalhou com o treinador no Grêmio

Em pé (da esq. para a direita): Píndaro, Jair Santana, Adalberto, Édson, Duque e Bigode. Agachados: Telê Santna, Robson, Vilalobos, João Carlos e Escurinho;.

O elenco do Tricolor Carioca, campeão estadual de 1959. De cima para baixo, na primeira fila (em pé): Dourado Lopes, Dr. Paes Barreto, Dilson Guedes, Zezé Moreira, Ailton Machado, Wilson Xavier e José de Almeida. Segunda fila: Jair Francisco, Paulo, Castilho, Jair Santana e Romeu. Terceira fila: Jair Marinho, Pinheiro, Edmilson, Clóvis e Altair. Quarta fila: Maurinho, Paulinho Ladrão, Valdo, Telê Santana e Escurinho

Telê Santava confiava demais em Vantuir. Eles foram campeões no Atlético-MG e no Grêmio. Depois que se aposentou como atleta, Vantuir se tornou treinador e trabalhou com auxiliar do Velho Mestre no Galo em 1988

Telê, nos braços da torcida do Galo, após a conquista do Campeonato Mineiro de 1988. A foto é da revista Placar.

O Mestre Telê Santana está eternizado no estádio do Mineirão. Justa homenagem para quem tanto fez pelo futebol. Na imagem, enviada pelo excelente Carlos Diniz, estão o filho Renê e a viúva Ivonete

Fluminense, anos 50. Da esquerda para a direita: Maurinho, Paulinho Ladrão, Valdo, Telê Santana e Escurinho

O saudoso e ex-presidente do São Paulo Marcelo Portugal Gouvêa ( à direita) não esqueceu de homenagear o grande técnico Telê Santana na sua gestão. Atrás do ex-dirigente são-paulino, de óculos, está Renê Santana, filho de Telê. Crédito foto: Rubéns Chiri/Site Oficial do São Paulo Futebol Clube.

Vejam Zé Carlos ao lado do mestre Telê Santana em 1994, durante evento organizado pelo SITREPESP

Ao término do Super Técnico, as úlitmas homenagens prestadas ao grande Telê Santana

Neto, Renê Santana, Milton Neves, Telê e Luxemburgo

Não há presentes suficientes que Telê pudesse ganhar por tudo o que fez no futebol.

Milton presenteia Telê com a terceira camisa do Flu

Milton numa noite especial de homenagens ao Mestre Telê

Milton presenteia Telê com uma camisa laranja do Fluminense

Sempre saudado pelos Tricolores

Fernando Casal De Rey, Telê e Milton Neves

Tanto como jogador, quanto como treinador, Telê sempre foi um vitorioso.

Com expressão de carinho, Milton Neves ouve atentamente a mansa voz de Telê Santana. Quanta saudade…

Em 2001, infelizmente debilitado, o querido Mestre Telê Santana participou do Super Técnico da Band

Telê Santana rodeado nos bastidores do SuperTécnico da Band. Da esquerda para a direita vemos Milton Neves, Mario Quaranta, Waldir Bonnas e Helio Sileman, então diretor da Traffic

Bastidores do SuperTécnico da Band. Telê Santana, sentado, observa atento as fotos antigas que estavam sendo mostradas a ele por Milton Neves e Mario Quaranta. De costas, Renê Santana, filho de Telê.

Telê Santana ao lado de Milton Neves durante o programa SuperTécnico da Band

O ponta Telê foi capa da Revista do Esporte. Ele era um dos principais destaques do Fluminense nos anos 50.

Até o sisudo Telê Santana não resistiu ao carisma de "Pachecão", no desembarque da Seleção Brasileira, em Portugal, local da concentração do "escrete canarinho" antes do mundial de 1982. Foto crédito: Arquivo pessoal/ Natan Pacanowski

O querido narrador ao lado do mestre Telê Santana na Noruega

Na foto da esquerda para a direita: o jornalista Milton Neves, o comentarista Osmar de Oliveira, o veterano volante Fernando, o ex-jogador e comentarista Neto, Renê Santana, filho de Telê Santana e o ex-técnico e saudoso "Mestre" Telê

Da esquerda para a direita, no gramado do Maracanã, envergando a bela camisa do Fluminense: Telê Santana, Orlando Pingo de Ouro, Carlyle, Didi e Joel.

O produtor Waldyr Bonnas ( morreu em Uberlândia no ano de 2004 ), Milton Neves, Mário Quaranta Filho e Telê Santana nos estudios do SuperTécnico da Band.

Moraci Santanna (o segundo em pé – de branco), Marinho Peres e Telê Santana (de terno cinza), recebendo premiação do Mundo Árabe.

O Fluminense no bucólico estádio das Laranjeiras. Em pé Clovis,. Vitor, Lafayete, Duque, Castilho e Bassu; agachados vemos Telê Santana, Didi, Atis, Valdo e Escurinho

Rafael Neves, filho mais velho de Milton Neves, e Telê Santana, nos estúdios do Terceiro Tempo da Rede Record de Televisão, em 2002.

Telê Santana entre dois são-paulinos, Milton Neves Netto (com a camisa de Zetti) e Rafael Neves, no CCT do São Paulo Futebol Clube. Ao fundo, o CT do rival Palmeiras. A foto é de 1992. O Tricolor vivia um momento mágico.

Uma das formações do timaço que o Fluminense montou nos anos 50. Em pé: Píndaro, Jair Santana, Édson, Pinheiro, Castilho e Bigode. Agachados: mestre Telê Santana, o peruano Villalobos, Marinho, Róbson e Quincas.

Anos 50. Em pé: Píndaro, Édson, Jair Santana, Bigode, Castilho e Pinheiro. Agachados: Telê Santana, Orlando Pingo de Ouro, Marinho, Didi e Róbson.

Telê ao lado do São Paulo, personagem símbolo do Tricolor paulista.

Em pé: Renato, Humberto Monteiro, Grapete, Vanderlei, Vantuir, Oldair e Telê Santana. Agachados: Ronaldo, Humberto Ramos, Dadá Maravilha, Lola e Tião.

Telê é considerado o maior treinador da história do clube. Foto: Divulgação

Nivaldo de Cillo e Telê Santana em um dos últimos eventos públicos que o saudoso treinador compareceu, no Museu do São Paulo, no Morumbi. Foto: arquivo pessoal de Nivaldo de Cillo

Na Copa de 82, na Espanha, ao lado de Ricardo Capriotti. Foto: Arquivo Pessoal/Capriotti

Telê Santana cumprimenta Vanderlei Luxemburgo em 27 de fevereiro de 1994, antes de São Paulo 2 x 1 Palmeiras, no Morumbi. Wanderley Nogueira, à direita, entrevista os treinadores. Entre Telê e Luxemburgo, atrás à direita, o repórter Ricardo Capriotti. Foto: Ormozd Alves/Folhapress

Telê Santana, Francisco e Jurandir, em treinamento do Grêmio, em 1978

Time do Atlético Mineiro sendo homenageado, em Belo Horizonte, após a conquista do título brasileiro de 1971. Na fileira de cima vemos Dario, de camisa branca, e abaixo dele aparece Vanderlei Paiva. Abaixo dele o goleiro Careca e Normandes (de terno escuro) e Beto (de bigode) e o goleiro Renato (de camisa branca). Também na fileira de cima, o penúltimo é o técnico Telê Santana e duas pessoas antes dele está o zagueiro Vantuir. Os dois debaixo são Oldair e Ronaldo e acima deles aparecem Pedrilho (de camisa escura), Humberto Ramos (encoberto), Grapete (de camisa branca), Guerino Neto e Humberto Monteiro (de camisa estampada).

Fluminense campeão da Copa Rio 1952. Em pé: Píndaro, Edson, Jair Santana, Bigode, Castilho e Pinheiro. Agachados: Telê, Orlando Pingo de Ouro, Marinho, Didi e Robson.

Telê Santana, Altair Ramos e Juninho Paulista, na época vencedora do São Paulo

Comissão técnica do São Paulo. Dr. Turíbio, Moraci Santana, Valdir Joaquim de Moraes, Patricia Bertolucci (nutricionista), Telê Santana, Hélio Santos (massagista), Oscar Bernardi e Altair Ramos

O jovem Altair Ramos, com a prancheta, ao lado do mestre Telê Santana

Nos anos 90

Fluminense em 1956. Em pé: Clóvis, Jair Santana, Castilho, Cacá, Altair e Pinheiro. Agachados: Telê Santana, Waldo, Léo Briglia, Jair Francisco e Escurinho. A foto é da Revista Esporte Ilustrado, 950, de 1956

Fluminense em 1956. Em pé: Clóvis, Jairo, Jair Santana, Cacá, Bassu e Pinheiro. Agachados: Telê Santana, Léo Briglia, Waldo, Batatais e Escurinho. A foto é da Revista Esporte Ilustrado, 947, de 1956

Ataque do Fluminense em 1953, na capa da Revista Esporte Ilustrado, 787. Paraguaio, Didi, Telê, Villalobos e Quincas

Telê, do Fluminense, e Esquerdinha, do Flamengo, em foto de capa da Revista Esporte Ilustrado, 789, de 1953

Fluminense em 1953. Em pé: Píndaro, Edson, Jair, Castilho, Pinheiro e Bigode. Agachados: Telê, Didi, Marinho, Orlando e Quincas. A foto é da Revista Esporte Ilustrado, 800, de 1953

Ataque do Fluminense em 1953, Telê, Robson, Marinho, Didi e Quincas, em foto da Revista Esporte Ilustrado, 819

Telê, do Fluminense, e Didi, do Botafogo, em foto da Revista Manchete Esportiva, 55, de 1956

Retorno do Japão, após o bicampeonato mundial de clubes pelo São Paulo, em 1993. Foto: Divulgação

Telê Santana em sua primeira passagem como treinador do São Paulo, em 1973, ao lado de Gilberto Sorriso. Foto: Divulgação

Raí e Telê Santana com o troféu da Libertadores em 1992. Foto: Divulgação

No Morumbi, nos anos 90. Foto: Divulgação

Ensinando o jeito de bater na bola, durante treino do Tricolor nos anos 90. Foto: Divulgação

Time do Fluminense que estreou na Copa Montevidéu, no empate por 1 a 1 com o Austria Wien, de Viena, em 1953. Da esquerda para a direita, em pé: Píndaro, Jair Marinho, Edson, Bigode, Castilho e Duque. Agachados: Telê Santana, Orlando, Villalobos, Didi e Quincas. Foto: Reprodução/Revista Esporte Ilustrado

Sentados, no começo dos anos 2000, Orestes Roberto Carrer (genro de José Poy) e Telê Santana. Em pé, Hélio Ghilardi que enviou a foto

Os capitães de Santos e Madureira, Mauro Ramos de Oliveira e Telê Santana se cumprimentam antes da partida em 1962, vencida pelo Santos por 4 a 0. Foto publicada no Facebook da ASSOPHIS

Nos anos 90, Telê Santana dando autógrafos. (Foto: Reprodução)

O elenco do Fluminense que venceu de forma invicta o Torneio Rio-São Paulo de 1957. Em pé, da direita para a esquerda, veja Cacá (lateral que também jogou no Botafogo e na Portuguesa), Waldo, Jair Marinho, Altair, jogador não identificado e Pinheiro. Agachados, mas desta vez da esquerda para a direita, o segundo é Escurinho e o terceiro é Telê Santana. Por conta da baixa qualidade da foto, não conseguimos identificar os demais jogadores. Se você puder nos ajudar, mande um e-mail para redacao@terceirotempo.com.br

Telê Santana, Milton Neves, Carlos Caboclo e amigos em Miami. Foto: reprodução

Confira a matéria de uma revista em que Telê Santana mostra o carinho com a apresentadora Angélica. Foto: Reprodução Facebook

Em 10 de julho de 1963 o Santos enfrentou o Madureira-RJ em um amistoso e venceu por 4 a 0. Antes da partida, os capitães Mauro Ramos de Oliveira e Telê Santana se cumprimentam. Foto: ASSOPHIS (Associação dos Pesquisadores e Historiadores do Santos F.C)

Fluminense, campeão invicto do Torneio Rio-São Paulo de 1957. Da esquerda para a direita, em pé: Silvio Pirilo, Clóvis, Jair Santana, Roberto, Vitor Gonzalez (goleiro paraguaio que jogou no Flu), Ivan (ex-América-RJ), Altair, Alberto, Cacá e Beto. Agachados: Alecir, Paulinho, Telê Santana, Jair Francisco, Robson (o Pequeno Polegar), Valdo, Léo Briglia, Escurinho, Osvaldo e Djair. Foto enviada por José Eustáquio

Na década de 50 e em 2002

Da esquerda para a direita, Ivan Pezão é o segundo ao lado de Telê Santana, o terceiro. Foto: Acervo Timbaúba em Números, Fatos e Fotos I João Hélio

Telê Santana acompanha o trabalho da seleção brasileira, nos anos 80. Waldir Peres aparece no canto direito da imagem

Da esquerda para a direita, ex-vice-presidente José de Alencar, Telê Santana, Vinício Santana e o filho do Telê, Renê Santana. Foto: Arquivo pessoal

Copa de 82, na Espanha. Da esquerda para a direita, Toninho Cerezo, Júnior, Telê Santana, Edinho, Sócrates e Zico

Volta Olímpica dos jogadores do Fluminense após a conquista do Campeonato Carioca de 1959. Em primeiro plano aparecem Castilho, Waldo e Altair. O Edmilson se encontra meio encoberto pelo Altair. Entre o Castilho e o Waldo aparece o Paulinho Ladrão. Mais ao fundo aparece o Maurinho, o Escurinho, e mais ao fundo ainda o Telê Santana. Foto enviada por José Eustáquio

Fluminense de 1956. Da esquerda para a direita, em pé: Clóvis, Jair Santana, Cacá, Castilho, Paulo e Pinheiro. Agachados: Telê Santana, Léo Briglia, Waldo, Jair Francisco e Escurinho. Foto enviada por José Eustáquio

José Edvaldo Tietz e Telê Santana. Foto: arquivo pessoal de José Edvaldo Tietz

No Fluminense, Maurinho e Telê Santana. Foto enviada por José Eustáquio

Seleção carioca, em 1952 – Em pé, da esquerda para a direita: Arati, Eli do Amparo, Jair Santana, Nilton Santos, Castilho e Pinheiro. Agachados: Telê, Didi, Ademir de Menezes, Ipojucan, Friaça e o massagista Mário Américo. Foto enviada pelo historiador José Eustáquio Rodrigues Alves Alves

Seleção Carioca em 1952: Em Pé: Eli do Amparo – Arati – Jair Santana – Nilton Santos – Castilho – Pinheiro e Zezé Moreira (Técnico) Agachados: Mario Américo (Massagista) – Telê – Ranulfo – Ademir Meneses – Didi e Nívio. Crédito da foto: José Eustáquio

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.