PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves

Verdão vai se acostumando com a liderança, mas o Peixe foi valente!

só para assinantes

Milton Neves

10/07/2021 18h23

Foto: Divulgação/Palmeiras

Palmeiras 3 x 2 Santos.

Para quem outro dia viu um modorrento Corinthians 0 x 0 São Paulo, foi bom assistir ao movimentado clássico entre Palmeiras e Santos no Allianz Parque neste sábado.

Mesmo com toda a superioridade, o Palmeiras acabou sofrendo mais do que precisa para garantir a vitória diante de um Santos valente, que faz mais do que se espera dele.

Mas, pelo andar da carruagem, o Verdão só terá mesmo o Galo como adversário neste Brasileirão…

Talvez o outro adversário do Palmeiras seja o próprio Palmeiras…

Sim, porque com o elenco de que dispõe, agora mais forte com o retorno de Dudu, é até um pecado ficar pedindo reforços para a diretoria, não é mesmo, bom Abel Ferreira?

Será que ele tinha todo esse "apetite" quando treinava o PAOK da Grécia?

O treinador português precisa parar de ficar criando caso, ficar reclamando "de barriga cheia".

Fato é que o Verdão começou a se acostumar com a liderança e pode disparar, caso o Atlético Mineiro não consiga acompanhar o ritmo do estrelado time paulista.

Ah, mas tem o Red Bull Bragantino, tem o Furacão…

Estão muito bem, é verdade, mas creio não terão gás para este interminável campeonato por pontos corridozzzzzz…

E já aviso aos flamenguistas que não se animem muito, pois o Rubro-Negro, injusto com Rogério Ceni, não vai deslanchar com Renato Portaluppi.

O Verdão abriu o placar aos 19 minutos da etapa inicial com Gustavo Gómez, de cabeça, em falha clamorosa do goleiro João Paulo, após cobrança de escanteio de Gustavo Scarpa.

A famosa "catada de borboleta", em plena pequena área…

Dois minutos depois, Breno Lopes recebeu passe açucarado de Raphael Veiga e, da entrada da grande área, tocou no cantinho direito da meta santista, desta vez sem culpa do arqueiro.

Vale ressaltar, que antes do primeiro gol, o Palmeiras já mostrava grande apetite, com um gol (bem) anulado de Deyverson, que subira livre de cabeça para colocar a bola no fundo do gol do Peixe. Estava em posição irregular.

Era um sinal claro de que as coisas não seriam fáceis…

Para os 45 minutos finais, Fernando Diniz fez mudanças, tentando infrutíferas jogadas na base do "chuveirinho".

A defesa alviverde adorava.

Cada cruzamento era uma espanada de cabeça e nenhum perigo para o goleiro Jailson.

Mas aos 22 minutos, esperança para os alvinegros, quando o palmeirense Marcos Rocha derrubou Carlos Sánchez na grande área.

Pênalti claro que o próprio Sánchez converteu, batendo como tem que ser, forte, no alto.

O Santos buscou o empate, enquanto o Palmeiras tentava liquidar a fatura nos contra-ataques.

E foi isso que aconteceu, aos 39 minutos.

Em lance revisto por meio do VAR, o terceiro gol do Palmeiras, em lance de dúvida sobre impedimento.

No frigir os ovos, gol confirmado de Willian.

Com 3 a 1 no placar, o Palmeiras ainda deu "mole" e Mayke cometeu outro pênalti, agora em cima de Marinho aos 43 minutos.

Marinho foi para a cobrança e fez o segundo gol santista, com Jailson ainda tocando na bola.

Nos acréscimos, aquilo que normalmente acontece, um time (Santos) buscando agilizar e o outro (Palmeiras) segurando a partida, que terminou mesmo com vitória do time mandante.

Vale um destaque: ter visto o atacante Raniel de volta o time da Vila, recuperado de covid-19, após passar por momentos muito difíceis.

Com 25 pontos, o Palmeiras segue na liderança do Campeonato Brasileiro.

Pergunto: com 11 rodadas já dá para "cravar" que o Verdão é o maior favorito a levantar o caneco?

O Galo é o único com panca para brigar "cabeça a cabeça" com o Esmeraldino?

OPINE!

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.