PUBLICIDADE
Topo

Verdão e Peixe escondem o jogo e está difícil apontar favorito para sábado

Milton Neves

26/01/2021 21h54

Fotos: Cesar Greco/Ag. Palmeiras e Ivan Storti/Santos FC

Palmeiras 1 x 1 Vasco da Gama / Atlético-MG 2 x 0 Santos

E tivemos os finalistas da Libertadores da América em campo na noite desta terça-feira pelo Brasileirão.

O Palmeiras recebendo o Vasco, no Allianz Parque.

Enquanto o Santos visitou o Atlético-MG, no Mineirão.

E o que podemos tirar de lição desses jogos para a decisão de sábado?

Absolutamente nada!

Isso porque Abel Ferreira e Cuca decidiram poupar "todo mundo" para a nobre final do Maracanã.

Uma escolha meio óbvia, já que ninguém quer perder um jogador importante às vésperas de uma decisão.

Mas que também traz certos prejuízos.

Afinal, os dois times, com essa "poupação" toda, perderam o embalo que tinham conquistado nas semifinais da Libertadores.

O Palmeiras, neste período, ao menos conseguiu golear o rival Corinthians na semana passada.

Já o Santos só tomou na cabeça, acumulando, com este revés para o Galo, a sua terceira derrota seguida.

Assim, com os dois técnicos "escondendo o jogo", fica difícil apontar um favorito para a final da Libertadores, não é mesmo?

Mas, ao que parece, se formos colocar em porcentagem, o Palmeiras tem hoje 51% de chances de levar o caneco continental, enquanto o Santos tem 49%.

Será uma final equilibradíssima!

Mas e o Galo e o Vasco?

O Atlético ainda tem boas chances de título, claro.

Mas tem como botar fé em um time que, sempre quando parece que vai engrenar, patina?

Difícil…

Já o Cruzmaltino melhorou demais com Luxa e não vai cair.

Mas é preciso planejar direitinho o grupo para o ano que vem.

Ninguém merece passar por esse sufoco toda temporada, concorda?

Opine!

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.