PUBLICIDADE
Topo

Tostão: os 74 anos de um diamante!

Milton Neves

25/01/2021 15h45

Inúmeras vezes publiquei neste espaço textos indicando grandes craques do nosso futebol que, infelizmente, apresentaram ao planeta muito menos dos 100% do talento que Deus lhes concedeu.

Seja por má orientação, como nos clássicos casos de Adriano Imperador, Marinho Chagas, Garrincha, Maradona, entre tantos outros.

Ou mesmo por puro azar com lesões complicadíssimas, como aconteceu com Ronaldo Fenômeno, Reinaldo, Pagão, Pedrinho, Coutinho, etc.

Enfim, impossível mensurar o prejuízo do futebol com os precoces términos das carreiras desses gênios da bola.

E, para mim, o caso que o esporte bretão mais perdeu por puro azar foi com a curta carreira de Eduardo Gonçalves de Andrade, o Tostão, que comemora 74 anos nesta segunda-feira (25).

Vocês têm noção que Tostão conseguiu gravar o seu nome da história do esporte mais popular do planeta mesmo tendo jogado apenas até os 27 anos?

E isso sem falar que ele já jogava meio "baleado" desde os 22, quando levou a bolada no olho esquerdo do zagueiro Ditão, do Corinthians, que infelizmente acabou descolando a sua retina.

Não fosse por esse tremendo azar, Tostão teria tido ainda mais sucesso com o Cruzeiro – clube que ele ajudou a tornar "grande" no cenário futebolístico brasileiro -, com o Vasco e, certamente, com a seleção brasileira na Copa de 1974 e talvez até mesmo no Mundial de 1978.

Mas, se o futebol chorou a perda precoce de um de seus grandes talentos, a medicina e a imprensa tiveram motivos de sobra para vibrar com a curta carreira de Tostão no esporte.

Afinal, depois disso, o Brasil ganhou um respeitadíssimo médico e um dos mais sensacionais colunistas de sua história.

E, para conhecer ainda mais a incrível trajetória de Tostão, sugiro que você veja abaixo as "milhares" de fotos da carreira do segundo melhor jogador nascido no estado de Minas Gerais – eu me esqueci do nome do primeiro, mas dizem que ele nasceu lá em Três Corações.

São verdadeiras relíquias garimpadas pelo meu "Que Fim Levou?", o maior portal de memória esportiva do mundo!

Parabéns e vida longa ao "Rei Branco"! 

Em pé: Zé Carlos, Neco, Darci, Pedro Paulo, Procópio e Raul. Agachados: Natal, Evaldo, Tostão, Dirceu Lopes e Rodrigues. Legenda e foto reproduzidas do blog Tardes de Pacaembu

 

Em pé: Hilton Chaves (Treinador), Cincunegui, Pedro Paulo, zagueiro não identificado, Vantuir, Piazza, Raul Plasman e o preparador físico Paulo Benigno. Agachados: Vaguinho, Dirceu Lopes, Jair Bala, Tostão e Ronaldo Drummond. A legenda e a foto foram reproduzidas do blog Tardes de Pacaembu

 

Em pé, da esquerda para a direita: Djalma Santos, um integrante da comissão técnica, Piazza, Sadi, Cláudio, Joel Camargo e Jurandir. Agachados: o massagista Mário Américo, Paulo Borges, Tostão, César Maluco, Rivellino e Edu. Foto enviada pelo internauta Walter Roberto Peres

 

Grapete e Tostão disputam a bola em um Atlético x Cruzeiro, no Mineirão. Foto retirada do blog Tardes de Pacaembu

 

Na imagem, Gérson e Tostão concedem entrevista antes do clássico. Foto retirada do blog Tardes de Pacaembu

 

Tostão sendo cuidado por sua esposa, após a bolada que levou do zagueiro corintiano Ditão, em 1969, que acabou descolando sua retina. Em decorrência disto, Tostão encerrou a sua carreira no ano de 1973. Foto retirada do blog Tardes de Pacaembu

 

Dirceu Lopes, Pelé e Tostão: nomes históricos do futebol brasileiro. Foto retirada do blog Tardes de Pacaembu

 

Mineirão lotado para um Cruzeiro x Santos em 27 de setembro de 1970, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa. O jogo terminou empatado em 1 a 1 (Nenê abriu o placar para o Santos e Tostão empatou). Na imagem, Tostão próximo à bola e Carlos Alberto avançando para tentar o desarme. À esquerda, Manuel Maria observa. Ao fundo, o cruzeirense Vanderlei. Foto: Célio Apolinário/Abril, enviada por Emílio A. Duva

 

Pelé "executa" o decepcionado goleiro tcheco (ao fundo e à direita da foto) e vira o marcador. Tostão corre atrás do Rei para abraçá-lo. Era a queda do primeiro adversário brasileiro na Copa do México, que abriu o caminho para o Tri. Foto: Revista "Era Pelé"

 

Pelé e Tostão, um dos seus ilustres parceiros, se somam na alegria de outro gol do Brasil na Copa de 1970. O gesto foi repetido várias vezes, demolindo as defesas adversárias e encantando o mundo. Foto: Revista "Era Pelé"

 

No jogo Brasil x Tchecoslováquia, na Copa de 1970, Pelé saltou para tentar cabecear a bola e caiu de cara no chão. Tostão está bem atrás do Rei, ambos no centro da foto e entre eles, um adversário tcheco de cada lado. Foto: Revista "Era Pelé"

 

Em 1972 e em 2013

 

Tostão, atualmente colunista da Folha de São Paulo, em imagem de 2013. Foto: UOL

 

O retorno de Van Basten, matéria da Revista Placar, de maio de 1999. Imagem: Revista Placar

 

Em 1998, trabalhando pelo Sistema Brasileiro de Televisão, Petrin e o craque-comentarista Tostão. Foto Arquivo pessoal Antonio Petrin

 

Mario Celso entrevistando Tostão. Foto: site de Mario Celso

 

Tostão é considerado como um dos grandes jogadores do futebol nacional e internacional, conhecido como o "Rei Branco". Imagem: Hall da Fama, Troféu Telê Santana

 

Da esquerda para a direita, em pé: Bueno, Canindé, Grapete, Buglê, Fábio, Décio Teixeira e Ubaldo Miranda. Agachados: Wilson Almeida, Silvestre, Tostão, Dirceu Lopes, Tião, o massagista Bolão. Foto: Arquivo pessoal Silvestre

 

Na revista "Brasil – Almanaque da Cultura Popular", uma reportagem sobre o ano em que Tostão foi obrigado a pendurar as chuteiras, no dia 4 de agosto de 1973. Foto: Reprodução

 

Jogadores posam para a foto antes do jogo contra a Inglaterra. A partida foi realizada no dia 7 de junho de 1970. O Brasil venceu por 1 a 0, gol de Jairzinho. No alto, da esquerda para a direita: Carlos Alberto Torres; Brito; Piazza; Félix; Clodoaldo; Everaldo; Admildo Chirol. Em baixo, da esquerda para a direita: Jairzinho; Rivelino; Tostão; Pelé; Paulo Cézar Caju. Foto: UOL

 

Tostão e Jairzinho correm para cumprimentar o Rei. Foto: In My Ear

 

Em 1966, uma das piores participações brasileira em Copas do Mundo, reuniu uma seleta de craques. No piano, Jairzinho, que posteriormente foi chamado de "Furacão" em 1970, Tostão, observa do lado direito, Pelé atento as dedilhadas musicais, no extremos jogadores não reconhecidos e ao fundo Brito, em pé. Foto My Ear.

 

O Rei é destacado na capa da revista Placar novamente, em 1970

 

Brito é citado na capa da revista Placar que tem Tostão, em 1970

 

Jairzinho (camisa 7) aparece na capa da revista Placar após a vitória de Seleção Brasileira sobre a Inglaterra na Copa do Mundo de 70

 

Capa da Placar durante a Copa do Mundo de 70 tem declaração de João Saldanha em destaque

 

Dadá estampa capa da revista Placar durante a Copa de 70

 

Capa da Placar durante o Mundial de 70 destaca declaração do técnico Aymoré Moreira, olheiro de Zagalo na época

 

Pelé na capa da revista Placar na década de 70

 

O saudoso escritor mineiro prestou homenagem com suas belíssimas palavras. Foto: Reprodução da revista Manchete

 

Da esquerda para a direita, em pé: Zé Maria, Felix, Brito, Piazza, Clodoaldo e Everaldo. Agachados: Mário Américo, Zequinha, Gérson, Tostão, Pelé, Rivellino e Nocaute Jack. Foto: Reprodução da revista Manchete

 

Concentração da Seleção Brasileira na bela cidade de Teresópolis, no Rio de Janeiro. O primeiro é Tostão e o terceiro é Alcindo. Foto; arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes

 

Da esquerda para a direita, em pé: Carlos Alberto Torres, Sadi, Cláudio, Joel, Denílson e Jurandir. Agachados: Paulo Borges, Gérson, Jairzinho, Tostão e Edu. Foto enviada por Renato Meneses Fernandes

 

Tostão e Aylton Rocha. Foto enviada por Aylton Rocha Júnior

 

Nicola Calichio (já falecido), então diretor-financeiro do Cruzeiro, na janela do trem, no caminho de Belo Horizonte para o Centro-Oeste.

 

Natal na janela do trem, com o elenco cruzeirense, indo para o Centro-Oeste brasileiro.

 

O olhar do Procópio na janela do trem no embarque do Cruzeiro de Belo Horizonte para o centro-oeste brasileiro.Crédito da foto: Levi dos Santos Xavier

 

Veja que foto fantástica, no vagão refeitório, o Cruzeiro indo de trem para a região do centro-oeste brasileiro. Da esquerda para a direita, Neco, Evaldo, Raul Plassmann e Natal.

 

Piazza sob olhares de torcedores na estação ferrovíaria de Belo Horizonte.

 

No vagão refeitório, Natal e Raul Plassmann chupando uvas e na mesa de trás, Evaldo e Neco. Crédito da foto: Levi dos Santos Xavier

 

Na estação ferroviária de Belo Horizonte, nos "braços do povo", o atacante Tostão , a frente de dois senhores de óculos no centro da imagem e veja também o "grandalhão" Procópio, de jaqueta sorrindo ao léu.Crédito da foto: Levi dos Santos Xavier

 

Histórica foto na estação ferroviária de Belo Horizonte. O trio de ouro da Raposa, da esquerda para a direita:em pé, o saudoso Nicola Calichio, à época diretor-financeiro do Cruzeiro, e nas janelas estão Dirceu Lopes, Piazza e Tostão.

 

Veja que foto fantástica, no vagão refeitório, o Cruzeiro indo de trem para a região centro-oeste brasileira na década de 60. Da esquerda para a direita estão Piazza, Dirceu Lopes e Tostão

 

Na janelinha do trem, o craque Tostão na estação ferroviária de Belo Horizonte, pronto para embarcar com o seu Cruzeiro para jogar na região centro-oeste do Brasil. Crédito da foto: Levi dos Santos Xavier

 

Em pé, da esquerda para a direita: Cláudio Coutinho, Carlos Alberto Parreira, Carlos Alberto Torres, Piazza, Brito, Clodoaldo, Everaldo e Zagallo. Agachados da esquerda para a direita: o segundo é Mário Américo, seguido por Jairzinho, Rivellino, Tostão, Pelé, Paulo César Caju e Nocaute Jack. Foto: Divulgação

 

Wilson Piazza, ex-volante do Cruzeiro, levanta a taça de campeão nacional, em 1966, observado por Hilton Oliveira, sem camisa, e Tostão, que está todo uniformizado. Foto: Walter Peres

 

Da esquerda para a direita, aparecem Jairzinho, Pelé, Tostão, Gérson e Edu. Foto enviada pelo internauta Walter Roberto Peres

 

Aos 21 e aos 62 anos de idade

 

Posando para foto, da esquerda para a direita, o colunista José Geraldo Couto, Neto, Tostão e Wagninho, jogador do time de Masters do Corinthians. Foto: Rede Social

 

Em 1966, vésperas da Copa na Inglaterra, a Seleção Brasileira treinava em Poços de Caldas, no Estado de Minas Gerais, em pé: Djalma Santos, Bellini, Manga, Edson Cegonha, Fontana e Dudu. Agachados: Nado, Fefeu, Alcindo, Tostão, Edu e Pai Santana. Crédito da Foto: Blog do Michel Laurence

 

Tostão, ao lado da esposa Vânia, às vésperas de abandonar o futebol, em 1973. Foto: Revista Placar

 

Bahia x Cruzeiro, no começo dos anos 70. O encontro de Elizeu e Tostão, antes do início da partida. Foto: arquivo pessoal de Elizeu Godoy

 

Tostão cumprimenta o camisa 7 Jairzinho após o "Furacão" marcar o segundo gol do Brasil sobre o Uruguai. Para a saudosa revista "O Cruzeiro", que estampou a foto em sua edição de 30 de junho de 1970, o Brasil vingara a derrota de 1950. Depois disso, quantas "vinganças" mais ocorreram, hein? Dezenas….

 

Tostão ajeita a bola durante a Copa de 70, no México. A foto é da Revista Placar, número 14, que saiu em 19 de junho do ano do Tri. Uma raridade!

 

Veja foto de 69 onde Tostão se prepara para a Copa de 70. Crédito: Paulo Lúcio dos Santos

 

Na Copa de 70, Pelé estava no auge da forma física. E não faltou disposição ao Rei para tentar tirar a bola do uruguaio Juan Mujica, durante a partida semifinal. Ao fundo, o genial Tostão também está acompanhando na marcação

 

Treinamento da Seleção Brasileira: Da esquerda para a direita: Brito, Gérson, Zé Maria (parcialmente encoberto), Everaldo, Luís Carlos Galter, Vaguinho, Zagallo, Tostão, Paulo César Caju (parcialmente encoberto), Carlos Alberto Parreira, Rivellino, Marco Antonio, Claudiomiro, Dirceu Lopes, Admildo Chirol e Eurico. Foto do Jornal do Brasil

 

A Seleção Brasileira fez um amistoso em Lima. Em pé: Carlos Alberto Torres, Sadi, Cláudio (goleiro), Joel Camargo, Denilson e Jurandir. Agachados: Paulo Borges, Gérson, Jairzinho, Tostão e Edu. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Com camisas listradas, os jogadores brasileiros posaram para esta bela imagem. Em pé: Carlos Alberto Torres, Félix, Brito (de agasalho), Djalma Dias, Wilson Piazza e Rildo. Agachados: Jairzinho, Dirceu Lopes, Pelé, Gérson e Tostão. Foto enviada por Walter Roberto Peres, extraída do livro "Seleção Brasileira – 1914 – 2006, de Antonio Carlos Napoleão e Roberto Assaf

 

Uma formação brasileira antes da Copa da Inglaterra. Em pé: Fidélis, Ubirajara Motta, Denílson, Ditão, Altair e Édson Cegonha. Agachados: Nado, Lima, Célio, Tostão e Edu. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Antes de começar o clássico entre Atlético Mineiro e Cruzeiro, Dario e Tostão se cumprimentam. Que camisas lindas os craques estavam vestindo… Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Em 24 de maio de 1970, a Seleção Brasileira enfrentou o Combinado de Irapuato (cidade mexicana), antes da grande vitória diante da Tchecoslováquia (4 a 1). Neste amistoso o Brasil venceu por 3 a 0. A imagem mostra Tostão tentando "roubar" a bola do goleiro adversário. Pelé, à esquerda na foto vem acompanhando a jogada e, ao fundo, o outro brasileiro é Paulo César Caju. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Tostão, comemora o primeiro gol do Brasil, diante do Uruguai em amistoso disputado no dia 9 de junho de 1968. O jogo terminou 2 a 0 para a Seleção Brasileira e o outro gol foi de Sadi. O goleiro uruguaio era Mazurkiewski e César Maluco acompanhava a jogada. Ao fundo, de braços erguidos, comemorando o gol canarinho está Paulo Borges. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Em pé: Andrada, Renê, Paulo César, Alcir, Miguel e Eberval. Agachados: Marco Antonio, Roberto Dinamite, Tostão, Silva e Gilson Nunes. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Em 1972 a torcida vascaína teve motivos de sobra para comemorar. O craque chegava a São Januário. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na "Revista Placar"

 

Um belo time do Cruzeiro. Em pé: Vanderlei, Zé Carlos, Piazza, Pedro Paulo, Brito e Raul. Agachados: o massagista Nocaute Jack, Natal, Evaldo, Tostão, Dirceu Lopes e Hilton Oliveira. Foto enviada por Walter Roberto Peres, publicada na "Revista Manchete"

 

Em 1966. O carinho da repórter Marília Rocha com Tostão. Hoje, essa proximidade é impossível. Foto enviada por Adriano Ambrosino

 

Marília Rocha conversa com Tostão e, agachado, à esquerda, o jovem repórter Fernando Vannucci. Foto enviada por Adriano Ambrosino

 

Em 1966, Tostão, minutos depois de sua convocação para a Copa da Inglaterra, com Marília Rocha. Foto enviada por Adriano Ambrosino

 

Tostão é o terceiro agachado, da esquerda para a direita, nos juvenis do América Mineiro, em 1963, antes de partida contra a Seleção de Pains (MG).

 

Tostão no Vasco: uma imagem que infelizmente durou pouco tempo. Já pensou se Tostão tivesse jogado futebol até os 35 ou 36 anos?

 

Craques do Cruzeiro em evidência

 

Vejam alguns craques da seleção brasileira reunidos em 1972. Em pé vemos Gérson e Jairzinho; agachados estão Rivellino, Leivinha e Tostão

 

Brasil em campo com Pelé e Tostão em 1969 no Maracanã. Reparem o tamanho do microfone volante que estava tentando captar alguma coisa dita pelos craques imortais

 

Tostão em ação pela seleção brasileira contra a Venezuela em 1969, em jogo das Eliminatórias no Maracanã.

 

Nesta foto enviada ao site pelo querido Walter Peres, vemos Tostão aos 21 anos em frente à loja de materiais esportivos que mantinha em BH. Nota-se que embora defendesse o Cruzeiro, camisa e boné do Galo estavam na vitrine, bem como uma saudosa bola Drible marrom.

 

Tem bola no barbante peruano. E Tostão, nosso grande atacante, comemora mais um gol do Brasil na Copa do Mundo de 1970

 

Vejam a Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo de 1966 com autógrafos dos craques que fizeram água em campos da Inglaterra. Vemos Gylmar, Djalma Santos, Fidélis, Bellini, Brito, Altair, Orlando, Paulo Henrique, Rildo, Pelé, Gérson, Manga, Denílson, Lima, Zito, Garrincha, Jairzinho, Alcindo, Silva, Tostão, Paraná e Edu

 

Gol de Tostão em 1966, na final entre Cruzeiro e Vila Nova, vencida pelo time da Toca da Raposa. A foto é da Revista do Cruzeiro.

 

Bela foto do trio canhoto da seleção de 70, em Curitiba. Da esquerda para a direita: Tostão, Gérson e Rivellino.

 

Seleção Brasileira em 1972. Em pé estão Mário Américo, Leão, Rodrigues Neto, Vantuir, Brito, Gérson, Tostão, Leivinha, Sérgio Valentim e Nocaute Jack; na fila do meio vemos Eurico, Dirceu Lopes, Clodoaldo, Jairzinho, Rivellino, Rogério, Marco Antônio e Piazza; sentados estão Zé Maria, Luis Carlos Galter, Dadá Maravilha, Marinho Peres, Paulo Cesar Caju e Lula

 

A foto é da estréia de Tostão no Vasco, em 1972, e quem está presenteando o craque mineiro é Natan Pacanowski, que em 1982, tornou-se o "Pachecão", torcedor símbolo da Seleção Brasileira na Copa da Espanha. Foto crédito: Arquivo pessoal/ Natan Pacanowski

 

Formação cruzeirense no Mineirão antes de jogo contra o Atlético com Neco, Pedro Paulo, Piazza, Perfumo, Fontana e Raul em pé e Roberto Batata, Zé Carlos, Tostão, Dirceu Lopes e Lima agachados

 

Cruzeiro de 1968 com Zé Carlos, Pedro Paulo, Ditão, Darci Meneses, Murilo e Raul em pé e Natal, Tostão, Evaldo, Dirceu Lopes e Hilton Oliveira agachados. Foto enviada ao site pelo internauta Walter Peres

 

Tostão, com a camisa do Cruzeiro em 1969, no exato momento em que foi atingido pela bola após chute do corintiano Ditão. O lance provocou o descolamento da retina do grande craque celeste. Clique aqui e veja a história e fotos de Ditão na seção "Que Fim levou?".

 

Mais um gol de craque. Sorte daqueles que viram ao vivo, de pertinho, o talento de Tostão.

 

Em pé: Vanderlei, Lauro, Piazza, Fontana, Brito e Raul. Agachados: Nocaute Jack, Natal, Zé Carlos, Tostão, Dirceu Lopes e Rodrigues.

 

Tostão novinho começando a carreira no Cruzeiro. A torcida celeste mal poderia imaginar que estava surgindo um dos maiores jogadores da história do clube

 

Na foto, o time montado pelo então técnico do escrete canarinho, João Saldanha, que goleou a Venezuela por 6 a 0, no dia 24 de Agosto de 1969, no estádio do Maracanã, pelas eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 1970. Em Pé :Carlos Alberto Torres, Félix, Djalma Dias, Joel Camargo, Piazza e Rildo. Agachados: o massagista Mário Américo, Jairizinho, Gérson, Tostão, Pelé, Edu e Nocaute Jack.Crédito foto: Blog do Jornalista Roberto Porto

 

Moeda comemorativa do título mundial de 1970, no México.

 

Em pé estão Neco, Raul Fernandes, Moraes, Piazza, Fontana e Raul; agachados vemos Natal, Zé Carlos, Tostão, Dirceu Lopes e Rodrigues

 

O Cruzeiro começou a ganhar projeção nacional a partir de 1966, quando conquistou a Taça Brasil vencendo o Santos de Pelé na decisão. Mas antes, a equipe teve que passar por uma prova de fogo: eliminar o Fluminense em pleno Maracanã. Esta foto retrata parte da equipe treinando no maior estádio do mundo um dia antes do duelo contra o Flu. Da esquerda para a direita estão Dalmar, Vavá, Tostão (bem jovem) e Willian. Quando a bola rolou, o time de Belo Horizonte se impôs com facilidade e marcou 3 a 1

 

Em pé: Pedro Paulo, Neiriberto, Vanderley, Vitor, Piazza e Fontana. Agachados: Palhinha, Tostão, Zé Carlos, João Ribeiro e Lima

 

O último time de Tostão antes de encerrar a carreira. Em pé estão Andrada, Puruca, Alcir, Moisés, Miguel e Eberval; agachados vemos Jorginho Carvoeiro, Buglê, Silva, Tostão e Ademir. Fonte: site do Vasco da Gama

 

O Vasco posando para foto no Maracanã. Em pé estão Andrada, Paulo Cesar, Joel Santana, Alcir, Moisés e Alfinete; agachados vemos Jorginho, Gaúcho, Silva, Tostão e Marco Antônio

 

À esquerda, Tostão observa a bola. Marco Antônio, camisa 11 às costas, também está no lance

 

Roberto Rivellino, Milton Neves e Tostão, no intervalo de Brasil 3×2 Holanda, em Dallas, pela Copa de 94, nos EUA.

 

Foto rara. Veja uma das quatro seleções que Vicente Feola treinou (muito mal) no primeiro semestre de 1966 com vistas à Copa da Inglaterra. Lá, demos vexame em Liverpool. Em pé: Murilo, Fábio, Djalma Dias, Edson Cegonha, Sebastião Leônidas e Dudu. Agachados: Pai Santana, Jairzinho, Célio, Tostão, Lima e Ivair.

 

Em pé da esquerda para a direita: Carlos Alberto, Brito, Everaldo, Clodoaldo, Piazza, Félix e Zagallo. Sentados da esquerda para a direita: Jairzinho, Rivelino, Tostão, Pelé e Gérson

 

Clima de decisão às vésperas da partida de quartas-de-final da Copa do Mundo de 1994 entre Brasil e Holanda. O treino do time canarinho, em Dallas, despertou o interesse da imprensa do mundo inteiro. Milton Neves estava lá, atento à movimentação e aprendendo com Juares Soares, que naquele momento entrava ao vivo na Bandeirantes. Ao lado do China, o mágico Tostão. Atrás de Tostão, o repórter Eduardo Luis, o Ligeirinho, um dos maiores corintianos da imprensa em todos os tempos

 

O doutor Eduardo, ou o grande craque dos gramados e do jornalismo Tostão ao lado de Milton Neves em 1994

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gylmar tenta, mas não pega. Carlos Alberto Torres só olha a bola na rede e Tostão comemora o gol de Natal. Era o massacre do Mineirão no dia 1º de dezembro de 1966 (6 a 2 para o Cruzeiro).

 

Tostão com a terapia possível nos anos 60, então pelo Cruzeiro. Segundo o jornal, o craque passara o dia anterior inteiro fazendo tratamento com água quente e estava garantido para o jogo. Notem o balde, de lata, usado na ocasião. Foto: Reprodução

 

Dois momentos de Tostão

 

Segurando o troféu da Taça Brasil de 1966, que conquistou pelo Cruzeiro. Foto: Divulgação

 

Tostão e Carlos Alberto Spina (ex-Matsubara) em dezembro de 2019, em Belo Horizonte. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina

 

Tostão, Carlos Alberto Spina (ex-Matsubara) e Wilson Piazza em dezembro de 2019, em Belo Horizonte. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina

 

Wilson Piazza e Carlos Alberto Spina (ex-Matsubara) em dezembro de 2019, em Belo Horizonte. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina

 

Carlos Alberto Spina (ex-Matsubara) e Tostão em dezembro de 2019, em Belo Horizonte. Foto: arquivo pessoal de Carlos Alberto Spina

 

Os atacantes Tostão e Lacy, nos anos 60. A foto deve ter sido tirada em concentração da seleção mineira, já que Tostão era do Cruzeiro e Lacy defendia o Atlético-MG

 

Treino da seleção brasileira no início dos anos 70. Da esquerda para a direita, veja Admildo Chirol (de costas), Tostão (pulando corda), Carlos Alberto Parreira, Dadá Maravilha, Marinho Peres, Leivinha e Rogério

 

Preparação para a Copa de 1970: Rogério Hetmanek e Tostão

 

Na acanhada quadra de Futebol de Salão, craques bateram uma bolinha… No centro, Dirceu Lopes está pressionado por marcador. À esquerda está Tostão e à direita, Edu. E o goleiro, ao fundo, é Pelé

 

Tostão, logo após o apito final de Brasil 4 x 1 Itália na decisão da Copa de 70. O craque foi despido, peça por peça, pelos fãs. Foi para o vestiário apenas de sunga… Foto: Divulgação

 

Pelé e Tostão na capa de um disco raro, lançado em 1969, com os gols do Brasil nas eliminatórias para a Copa do México com narração de Waldir Amaral, da Rádio Globo. Foto: Reprodução

 

Na década de 1980, Tostão, à direita então professor de medicina com residentes do Hospital São José, em Belo Horizonte. Foto: Divulgação

 

Ricardo Capriotti e o ex-jogador Tostão. Foto: Arquivo Pessoal/Capriotti

 

Comentaristas da Band durante a Copa de 1994, nos Estados Unidos: Gérson, Tostão e Rivellino

 

Um dos ataques do Vasco em 1973. Jorginho Carvoeiro, Ademir, Silva, Tostão e Amarildo

 

Gérson jogando pelo Fluminense e Tostão pelo Vasco, em 1972

 

Anos 60: no Mineirão, Tostão domina a bola em um duelo entre Cruzeiro e Ceará

 

Seleção na vitória de 1 a 0 sobre a Inglaterra na Copa de 70. Em pé: Carlos Alberto, Brito, Piazza, Félix, Clodoaldo, Everaldo e Admildo Chirol. Agachados: Jairzinho, Rivellino, Tostão, Pelé e Paulo Cézar Lima

 

Pelé comemorando gol, na chamada `Foto do Século´, durante a Copa de 1970. Atrás, Jairzinho e, encoberto, Tostão. Foto: Lemyr Martins

 

Fernando Vannucci, então com 15 anos, entrevista Tostão em 1966, no Estádio Boulanger Pucci em Uberaba, pouco antes de Cruzeiro 4 x 0 Uberaba, jogo válido pelo Campeonato Mineiro. Foto: arquivo pessoal de Fernando Vannucci

 

Tostão, Percope e Luciano do Valle em 1996 durante jantar na casa de Tatá Muniz. Foto: arquivo pessoal de Tatá Muniz

 

Jantar na casa de Tatá Muniz em 1996. Tatá está de costas, ao lado de Tostão e, ao fundo, Luciano do Valle. Foto: arquivo pessoal de Tatá Muniz

 

O advogado André Froes e o ex-jogador Tostão, em julho de 2017. Foto: arquivo pessoal

 

Capa da Revista do Esporte. Dirceu Lopes e Tostão fizeram história no Cruzeiro. Foto: Reprodução

 

A cidade de Franca, em São Paulo, recebeu o time do Cruzeiro, que na oportunidade jogou contra o EC Amazonas. Da esquerda para a direita, vemos: Silva, Aires, Tostão, Toninho e José Carlos. Foto enviada por Carlos Arantes

 

Edu, Tostão e Valdir Joaquim de Moraes. Foto: reprodução

 

Jairzinho, Rivellino, Tostão, Pelé e Paulo César Cajú, com a camisa da Seleção Brasileira, em 1970. Foto: reprodução

 

Jair, Pelé, Tostão, Gérson e Edu, um dos melhores ataques de todos os tempos. Foto: reprodução

 

Treinamento do Cruzeiro no final da década de 60. Na fileira mais próxima à câmera é possível identificar Dirceu Lopes, Tonho, Willian, Dalmar e Tostão. Ao lado esquerdo de Tostão está Natal. Foto: Reprodução

 

Tostão em treinamento durante a Copa de 1966. Foto: Reprodução.

 

A seleção brasileira na noite de 7 de abril de 1969, segundo jogo realizado no Beira-Rio, primeiro noturno do estádio colorado, inaugurando o sistema de refletores da nova casa escarlate, que subsittuiu o Estádio dos Eucaliptos. A equipe que derrotou o Peru por 2 a 1, em pé, da esquerda para a direita: Carlos Alberto Torres, Félix, Brito, Djalma Dias, Wilson Piazza e Rildo. Agachados: o massagista Mário Américo, Jairzinho, Dirceu Lopes, Pelé, Gérson, Tostão e o massagista Nocaute Jack. Foto: Sport Club Internacional

 

Seleção Brasileira, no dia 31 de agosto de 1969. Partida contra o Paraguai, válida pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 1970, vencida pelo Brasil por 1 a 0. Da esquerda para a direita, em pé: Carlos Alberto Torres, Félix, Djalma Dias, Joel Camargo, Piazza e Rildo. Agachados: Mário Américo, Jairzinho, Gérson, Tostão, Pelé, Edu e Nocaute Jack. Foto enviada por Moisés Bueno

 

Helicóptero da FAB em voo rasante, já com as equipes no gramado trazendo as bolas do jogo Seleção Mineira x River Plate. Os brasileiros contavam com Valtinho, Dawson, Caiô, Edson, Café, Eduardo (goleiro reserva), Eleutério, Jair Bala, Massinha, Canindé, Wilson Almeida, Tostão, Dirceu Lopes, Décio Teixeira, Silvestre, Buglê, Tião, Grapete, Fábio e Bueno. Os argentinos tinham o bom goleiro Gatti e o zagueiro Ramos Delgado. Apesar de ser em Minas Gerais a partida, o jogo contou com um árbitro da Federação Carioca de Futebol, Antônio Viug. Foto enviada por José Eustáquio

 

Seleção Mineira e River Plate, em 1965, na inauguração do estádio Mineirão. Da direita para a esquerda: Valtinho, Dawson, Caiô, Edson, Café, Eduardo (goleiro reserva), Eleutério, Jair Bala, Massinha, Canindé, Wilson Almeida, Tostão, Dirceu Lopes, Décio Teixeira, Silvestre, Buglê, Tião, Grapete, Fábio, Bueno, trio de arbitragem (o juiz que está no centro é Antônio Viug, da Federação Carioca de Futebol), Ramos Delgado e Gatti. Foto enviada por José Eustáquio

 

Seleção Mineira e River Plate, em 1965, na inauguração do estádio Mineirão. Da direita para a esquerda: Valtinho, Dawson, Caiô, Edson, Café, Eduardo (goleiro reserva), Eleutério, Jair Bala, Massinha, Canindé, Wilson Almeida, Tostão, Dirceu Lopes, Décio Teixeira, Silvestre, Buglê, Tião, Grapete, Fábio, Bueno, trio de arbitragem (o juiz que está no centro é Antônio Viug, da Federação Carioca de Futebol), Ramos Delgado e Gatti. Foto enviada por José Eustáquio

 

Apresentação dos jogadores convocados para a Seleção Mineira em 1968, na sede da Federação Mineira de Futebol. Aparecem na foto: Ferreira (ex-América-MG), Tostão, Amaury Horta, Tião, Dirceu Lopes, Humberto Monteiro e Procópio, (os demais jogadores não foram identificados). Foto envida por José Eustáquio

 

O ditador Emílio Garrastazu Médici (à direita), então presidente do Brasil, recebeu os campeões da Copa do México em 1970, Rivellino Jairzinho e Tostão. Foto: Revista Veja

 

Grandes ícones da cultura popular brasileira: da esquerda para a direita, Tostão, Elizeth Cardoso, Pelé e Jair Rodrigues. Foto: Reprodução

 

Estúdio da Rede Bandeirantes, na Copa do Mundo de 1994, em Dallas. Programa Apito Final. Da esquerda para a direita, Armando Nogueira, Júlio Mazzei, Mário Sérgio, Luciano do Valle, Rivellino, Tostão e Silvio Luiz. Foto enviada por Tatá Muniz

 

Tostão aparece machucado no jornal.

 

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.