PUBLICIDADE
Topo

Milton Neves, carros e corridas

Milton Neves

06/08/2020 15h57

Milton Neves e Nilson César no lendário circuito oval de Indianápolis, em 1994. Foto: Portal TT

por Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

Nos 69 anos que Milton Neves  completa nesta quinta-feira (6), embora o futebol tenha permeado a maior parte do seu cotidiano, tanto pessoal quanto profissionalmente desde os tempos em que ouvia o Santos Futebol Clube em um rádio a pilha em Muzambinho, Sul de Minas Gerais, os automóveis também foram importantes em sua trajetória.

No período em que trabalhou na Rádio Jovem Pan, quando a emissora paulistana tinha um departamento de esportes robusto, presente às coberturas automobilísticas com jornalistas da estirpe de Claudio Carsughi, Flavio Gomes, Wilson "Barão" Fittipaldi, Cândido Garcia e Nilson Cesar, entre outros, Milton Neves participou de diversas coberturas da rádio nos GPs do Brasil em Interlagos, comandando os trabalhos e chamando os repórteres e comentaristas ao longo das transmissões.

Em 1996, em Interlagos, logo após o GP do Brasil. A Williams-Renault (#5 de Damon Hill, que venceu a corrida) e a Ferrari de Michael Schumacher, que foi o terceiro colocado na prova. Foto: Portal TT

 

Na cobertura do Grande Prêmio do Brasil de 1996. Flavio Gomes, Milton Neves e o repórter Fernando Caetano. Foto: Portal TT

Mas as aventuras de Milton pelo mundo do automobilismo não se limitaram ao autódromo paulistano. Em 1994, por exemplo, ele foi a Indianápolis para a cobertura das 500 Milhas, mais famosa prova da Indy, no lendário oval do IMS (Indianápolis Motor Speedway).

Na ocasião, entrevistou os pilotos brasileiros que lá estavam: Emerson Fittipaldi, Roberto Pupo Moreno, Maurício Gugelmin e Raul Boesel. E também ficou admirado com os banheiros sem portas e os divertidos concursos de topless que aconteciam no entorno do autódromo.

Milton Neves entrevista Emerson Fittipaldi enquanto o piloto cortava o cabelo em Indianápolis, em 1994

Roberto Pupo Moreno sendo entrevistado por Milton Neves em 1994, quando o jornalista participou da transmissão das 500 Milhas de Indianápolis pela Rádio Jovem Pan

Nilson César e Milton acompanhando o trabalho dos mecânicos no Lola-Ford do brasileiro Raul Boesel em Indianápolis, em 1994

Falando em Indy, em 11 de março de 2010, uma quinta-feira, esteve no Anhembi para acompanhar de perto o trabalho das equipes que montavam seus carros no Pavilhão de Exposições para a primeira edição da São Paulo Indy 300, prova vencida pelo australiano Will Power. Lá, se encontrou e entrevistou o `primo´Helio Castroneves e Tony Kannan.

Em 11 de setembro de 2010 no Pavilhão do Anhembi, ao lado do Penske-Honda do "primo" Helio Castroneves. O cinegrafista Cristian Bartalo, da Band, filmou. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

Com Tony Kanaan e Paloma Tocci em 11 de março de 2010, no Pavilhão do Anhembi, nos preparativos para a primeira edição da São Paulo Indy 300. Foto: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

PRIMEIROS CARROS PESSOAIS

Não há registro fotográfico, mas Milton se lembra muito bem do seu primeiro carro, um Fuscão amarelo, placas BO-5555.

No dia de seu casamento, levou a esposa Lenice para a lua de mel em uma Brasília azul.

Bem depois, já com três filhos, a necessidade o obrigou a ter um carro maior, no caso uma bela Caravan prata, com bagageiro no teto, que ele retirou. "Era horrível, aquilo", diz Milton, que a exemplo do primeiro carro, o Fuscão, continua gostando de carros alemães, mais precisamente os fabricados em Stuttgart.

Em 7 de janeiro de 1978, com a esposa Lenice, na Brasília azul. 

Nos anos 80, com a família maior, a Caravan prata à alcool foi a solução para as viagens a Muzambinho-MG. No canto do vidro, o decalque da Rede Zacharias

CARROS DE TRABALHO: Como repórter de trânsito, Milton andava ao lado do saudoso motorista Silvério Rodrigues, que conduzia uma Veraneio azul ou uma Rural Willys, azul e branca, tipo "saia e blusa".

Rural Willys "saia e blusa", um dos veículos utilizados na época em que Milton era repórter de trânsito da Rádio Jovem Pan

Guiando um Fiat em Roma, no período em que esteve na cobertura da Copa do Mundo da Itália, em 1990

EXPOSIÇÕES

Milton compareceu em algumas edições do Salão do Automóvel e outras feiras relacionadas a transportes, como a Fenatran, em 2013. Na ocasião, visitou o estande da Renault, conhecendo os produtos da montadora de matriz francesa que produz veículos no Brasil.

Plugando o cabo de energia no Kangoo elétrico no estande da Renault na Fenatran, em 28 de outubro de 2013, no Pavilhão do Anhembi-SP. Fotos: Marcos Júnior Micheletti/Portal TT

HISTÓRIAS EM COBERTURAS JORNALÍSTICAS

O MAVERICK DESGOVERNADO DE CLAY REGAZZONI NO CENTRO DE SÃO PAULO

Em 1973, por ocasião do lançamento do Ford Maverick, aposta da montadora para concorrer com o Opala no Brasil, cada piloto que disputou a prova recebeu um Maverick durante sua estada em São Paulo, para poder se deslocar pela cidade. Milton Neves relembra uma situação curiosa que aconteceu na ocasião, com o suíço Clay Regazzoni (1939 – 2006).

"Eu morava na pensão dos muzambinhenses na Alameda Jaú (em São Paulo) e teve um GP daqueles iniciais aqui, com Ronnie Peterson, José Carlos Pace, Clay Regazzoni  e muitos outros. Foi quando lançaram o Ford Maverick (1973), que foi o carro oficial do GP de Interlagos. Era uma época romântica. Eu entrava na rádio (Jovem Pan) somente à tarde. Eu e um amigo, chamado Dulcinei Marras, o "Durce", descemos com um ônibus a Consolação (região central de São Paulo) e fomos a pé até o Hilton, o hotel onde ficavam os pilotos. Descemos do ônibus e todo mundo ouviu aquele ´cantar´de pneus. e de repente `bum!´, era o Clay Regazzoni, ele meteu uns 200 quilômetros por hora na descida da Consolação e arrebentou o carro em uma árvore. A Ford havia emprestado um Maverick para cada piloto andar em São Paulo. Aí ele saiu dos destroços do carro, espanou a poeira e foi a pé até o Hilton Hotel. Eu não fotografei, não filmei, também nem tinha equipamento, mas essa imagem não saiu das minhas retinas", recorda-se Milton.

Clay Regazzoni em 2006, ano de sua morte. Foto: Divulgação

"FURO" NA MORTE DO PILOTO TOM PRYCE

Milton Neves estava no Plantão Esportivo da Rádio Jovem Pan na manhã de 5 de março de 1977 e foi o primeiro a noticiar a morte do galês Tom Pryce (1949 – 1977) no GP da África do Sul, após a redação da emissora receber o telex de uma agência internacional. Na ocasião, um fiscal atravessou a pista para debelar o princípio de incêndio da Shadow do italiano Renzo Zorzi, companheiro de equipe de Pryce. O jovem Jansen Van Vuuren, de apenas 19 anos, inexperiente, cruzou a reta de Kyalami e acabou sendo atropelado pela Shadow de Tom Pryce, que estava a cerca de 280 quilômetros por hora. O extintor de incêndio que estava sendo carregado pelo fiscal, atingiu a cabeça de Pryce em cheio, que teve seu crânio esmagado e morte instantânea.

Milton Neves foi o primeiro a noticiar a morte de Tom Pryce, após a redação da emissora receber o telex de uma agência internacional.
Clique no botão abaixo e ouça o depoimento de Milton Neves relembrando o que aconteceu no dia da cobertura do GP da África do Sul de 1977 a Marcos Júnior Micheletti.

O galês Tom Pryce e sua esposa Nella, com quem se casou em 1975, dois anos antes de sua morte. Foto: Divulgação

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.