PUBLICIDADE
Topo

Abalado psicologicamente, Flamengo virou azarão na final do Carioca

Milton Neves

12/07/2020 04h00

Fotos: Alexandre Vidal/Flamengo e Lucas Merçon/FFC

Não sou o maior apreciador de voleibol do mundo, mas acredito que o esporte que se tornou extremamente popular no Brasil graças a Luciano do Valle nos ajuda a explicar como o Flamengo perdeu o favoritismo na briga pelo Campeonato Carioca.

Afinal, você já deve ter acompanhado alguma partida de vôlei em que o time favorito venceu tranquilamente o primeiro set, com boa vantagem no marcador, e fez também a sua "obrigação" no segundo set, novamente com um placar confortável.

Só que aí, no terceiro set, quando tinha a chance de fechar o jogo, a equipe que nadava de braçada vai e… perde: 2 a 1.

Teoricamente, ela ainda seria a favorita, já que bastaria vencer apenas mais um período para ganhar o confronto.

Mas, geralmente, o time que ganhou o seu primeiro set se anima, leva o duelo para o tie break e tira o doce da boca da abalada equipe que estava com a vitória nas mãos.

Isso prova o quanto o psicológico é fundamental para a prática esportiva.

E é esse mesmo exemplo que eu uso para explicar o meu palpite para a final do Campeonato Carioca.

Na última quarta-feira, no Maracanã, o Flamengo tinha mais ou menos seis match points nas mãos, mas entrou em campo como se o campeonato já tivesse acabado e tomou nó tático do valente Fluminense, que conseguiu vencer o seu primeiro "set".

Agora, com o psicológico completamente abalado – e o Flu, pelo contrário, muito bem psicologicamente -, o Rubro-Negro deixou de ser franco favorito para se tornar o azarão da final do Carioca.

O pior é que duas situações extracampo podem atrapalhar ainda mais o rendimento do time nos derradeiros jogos do Estadual.

A primeira, claro, é a postura extremamente arrogante da diretoria do Flamengo, que continua tentando se igualar ao Vasco dos tempos de Eurico Miranda.

A segunda é o fato de a equipe sempre jogar com aquela dúvida: será que Jorge Jesus será o nosso técnico na próxima partida?

Por mais que o Rubro-Negro renove o contrato do português, o treinador faz questão de sempre deixar um pé quase pisando lá na Terrinha.

Essa incerteza não ajuda em nada, não é mesmo?

Portanto, para quem estava aguardando o meu palpite, quase infalível, aí está.

O Flu tinha pouquíssimas chances, mas após a bela vitória de quarta-feira, o Tricolor se tornou mais ou menos como água morro abaixo, fogo morro acima e mulher bonita quando quer namorar: ninguém segura.

Opine!

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

Blog do Milton Neves