PUBLICIDADE
Topo

José Aparecido: há 27 anos perseguido injustamente pelos corintianos

Milton Neves

12/06/2020 04h00

Foto: Ednilson Valia/Portal TT

Lá se vão 27 anos daquele 12 de junho de 1993, um dos dias mais marcantes da história da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Ou talvez o mais marcante.

Afinal, título o Palmeiras tem de monte em sua história.

Mas o contexto daquele (com anos de fila e contra o maior rival) fez com que um simples título paulista, hoje tão desprezado pelos grandes, fosse comemorado como um Mundial.

E o que prova também que o título foi muito marcante é a insistência dos corintianos em justificar aquela derrota.

"Ah, se não fosse o Zé Aparecido…", costumam dizer.

Ora, se não fosse o José Aparecido teria sido 2 ou 3 a 0 para o Palmeiras com a taça indo para o Parque Antárctica de qualquer jeito.

O Verdão era 126,7 vezes mais time que o Corinthians naquele ano.

A entrada de Edmundo em Paulo Sérgio foi forte, é claro.

Mas é o tipo de lance que tem árbitro que dá vermelho, e que tem árbitro que não dá o vermelho.

E a principal vítima daquela final acabou sendo o próprio José Aparecido.

Depois da decisão, reviraram a vida financeira do coitado do árbitro.

Não encontraram nada, é claro.

Até vítima de racismo o bom Zé Aparecido foi.

Mas os alvinegros não se cansam desta maldosa ladainha de que ele teria sido "comprado" pela Parmalat.

Puro choro de perdedor!

E, após este episódio, a carreira do homem do apito daquele emblemático jogo nunca mais foi a mesma.

Deveria ser indenizado por aqueles que há exatos 27 anos o caluniam.

José aparecido: um goleiro Barbosa do apito!

Abaixo, relembre os melhores momentos daquela partida:

Opine!

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

Blog do Milton Neves