PUBLICIDADE
Topo

Covid-19 mata Célio Taveira, grande artilheiro do Vasco

Milton Neves

29/05/2020 11h00

Célio Taveira, e um de seus últimos registros fotográficos

A Covid-19 segue fazendo vítimas no Brasil, no planeta e também no mundo da bola.

Nesta sexta-feira (29), a doença que tem tirado a vida de milhares de pessoas colocou um ponto final também na passagem pela terra de Célio Taveira Filho, grande artilheiro do Vasco da Gama.

E não apenas do Gigante da Colina.

Célio, que tinha 79 anos e vivia em João Pessoa-PB, foi genial também com as camisas do Nacional-URU (um dos grandes ídolos do clube), do Santos, do Corinthians, da Portuguesa Santista, do Jabaquara e da Ponte Preta.

Ele é o terceiro brasileiro com mais gols marcados na Libertadores da América, com 22 tentos, atrás apenas de Luizão (29) e Palhinha (ex-Cruzeiro e Corinthians), que marcou 25.

E isso que a Libertadores, antigamente, tinha menos jogos…

Bom, e nas "milhares" de fotos abaixo você conhece um pouco melhor sobre a sua gloriosa carreira:

Delegação brasileira desembarcando da aeronave da SAS (Scandinavian Airlines System), em Estocolmo, na Suécia. Da esquerda para a direita: Valdir Joaquim de Moraes, o jornalista Gouvea e Célio Taveira. Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes

 

Da esquerda para a direita: Célio Taveira, José Almeida, Paulo Amaral, Bellini e Valdir. Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes

 

Rinaldo, Célio, Gérson e Valdir, durante viagem da Seleção Brasileira pela Europa. Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes

 

Atrás, da esquerda para a direita: Célio Taveira, Bellini, Pelé, Djalma Santos, Paraná, Ademir da Guia e Bruno Hermany (parcialmente encoberto). À frente: Vicente Feola, Mário Américo, José Almeida, Jairzinho, Rildo, Rinaldo, Dr. Hilton Gosling e Valdir Joaquim de Moraes. Agachado, o roupeiro Chicão Assis. Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes

 

Na gelada Moscou, na época capital da União Soviética e depois capital da Rússia, atrás, da esquerda para a direita: Célio Taveira, Lima, Bellini, Pelé, Djalma Santos, Paraná, Ademir da Guia e Bruno Hermany (preparador físico). À frente: Vicente Feola, Mário Américo, José Almeida e Chicão Assis (roupeiro). Foto: arquivo pessoal de Valdir Joaquim de Moraes

 

Em pé, da esquerda para a direita: Lévis, Joel, Brito, Maranhão, Fontana e Barbosinha. Agachados: Joãozinho ou João José, Lorico, Célio, Mário e Zezinho. Foto: Renato Menezes Fernandes/Foto amador

 

Foto: Reprodução

 

Da esquerda para a direita, em pé: Amauri, Joel Santana, Brito, Maranhão, Fontana e Oldair. Agachados: Luizinho, Lorico, Célio, Danilo Meneses e Tião

 

Foto: Reprodução

 

No vasco, em pé, da esquerda para a direita: goleiro não reconhecido, Joel, Brito, Maranhão, Fontana e Barbosinha. Agachados, da esquerda para a direita: João José, Lorico, Célio Taveira, Paulo Dias e Zezinho. Foto: Gazeta Esportiva

 

Célio Taveira ao lado de Mário Gomes Filho, na fazenda Caçilinha, em Ingá-PB. Segundo o próprio Mário, o ex-atacante fazia um ótimo churrasco. Foto: Mário Gomes Filho

 

O ex-centroavante do Vasco ao lado de um fã, o jovem Mário Gomes Neto. Foto: Mário Gomes Filho

 

Em pé: Murilo, Valdir Joaquim de Moraes, Djalma Dias, Leônidas, Roberto Dias e Rildo; Agachados: Paulo Borges, Oldair, Célio, Parada e Ivair Fonte: Blog do Michel Laurence / iG

 

Veja Célio Taveira com seu Dodge Dart branco, em 1970. Foto: Revista Placar

 

Célio e a equipe do Corinthians saem da formação de pose do time, em jogo no Parque São Jorge em 1970. Pela ordem aparecem: Célio (o nº 9), o goleiro Ado (com as luvas no rosto), Tião (agachado com a bola), Pedrinho (o nº 6), Luis Carlos (o nº 4) e Suingue. A foto é da Revista Placar nº 28, fotográfo Lemyr Martins e foi enviada por Walter Roberto Peres

 

Célio disputa bola com o lateral esquerdo do Atlético, Júlio, no jogo disputado no estádio Belfort Duarte, em Curitiba, pela primeira rodada da Taça de Prata de 1970. Resultado do jogo: 0 x 0. A foto é da Revista Placar nº 28, fotográfo Carlos Maranhão e foi enviada por Walter Roberto Peres

 

Célio enfrenta o zagueiro Zico, do Atlético Paranaense, em jogo disputado no estádio Belfort Duarte, em Curitiba, pela primeira rodada da Taça de Prata de 1970. Resultado do jogo: 0 x 0. A foto é da Revista Placar nº 28, fotográfo Carlos Maranhão e foi enviada por Walter Roberto Peres

 

A publicação é da revista Placar de 18 de julho de 1970, quando Célio estava sendo contratado pelo Corinthians. Veja bem no fim da reportagem a declaração de que seu maior prazer era jogar contra o nosso Santos, e vencer. Também o fato de que já atuou como goleiro era para mim desconhecido. A imagem foi enviada por Walter Roberto Peres

 

A foto foi enviada pelo próprio Francimar

 

Célio apitava algumas "peladas" na cidade de João Pessoa-PB

 

Na disputa pela bola, aparecem Célio, do Vasco, e Olavo, do Santos. Mais atrás, vemos Lorico e bem mais atrás, o zagueiro Brito.Ao fundo, vemos a Estátua de Davi, que já não está mais no Pacaembu, e sim no bairro do Tatuapé, no Ceret, em São Paulo.

 

Corinthians 2 x 1 Palmeiras pelo Campeonato Paulista. Ao fundo, à esquerda na foto, vemos Rubens Minelli (é o terceiro, da esquerda para a direita, de camisa branca). Próximo à trave, da direita para a esquerda está Marco Antonio, da Rádio Tupi, que hoje é motorista de táxi. Atrás dele e de outro repórter está Clóvis Messias. O gol corintiano foi de Célio (que não aparece na foto). O camisa quatro do Palmeiras é Zeca e os corintianos são Ivair (camisa oito) e Benê (camisa 14). Reparem nas redes do gol, de corda escura. O nylon branco ainda era raro nos estádios brasileiros. Foto de Lemyr Martins, publicada na Revista Placar e enviada por Walter Roberto Peres

 

Uma formação brasileira antes da Copa da Inglaterra. Em pé: Fidélis, Ubirajara Motta, Denílson, Ditão, Altair e Édson Cegonha. Agachados: Nado, Lima, Célio, Tostão e Edu. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Neste Operário, de 1973, o segundo jogador agachado é Tadeu Macrini e o terceiro é o centroavante Célio. Foto enviada por Walter Roberto Peres e publicada na Revista Placar

 

Portuguesa Santista, no final da década de 50. Henrique é o quinto, em pé, da esquerda para a direita. O segundo agachado é Gonçalo; o último é Célio, ex-centroavante do Vasco e do Corinthians.

 

Em pé, da esquerda para a direita: Luis Carlos Galter, Pedrinho, Ado, Ditão, Zé Maria e Suingue. Agachados: Paulo Borges, Célio, Rivellino, Mirandinha e Aladin

 

Em pé estão Mirandinha, Caíto, Dirceu Alves, Baldocchi, Sidnei, Tião, Luis Carlos Galter, Rivellino, Zé Maria, Beto, Lance, Armando, Célio e o técnico Duque; agachados vemos Adãozinho, Golê (ex-São José), Miranda, Paulo Borges, Vaguinho, Nelson Lopes, Aladim, Pedrinho, Paulo Sérgio, Guaraci, Joãozinho e Marco Antonio

 

Em pé: Macedo, Dudízio, Rubens Salles, Lucas, Carlão e zagueiro não identificado. Agachados: Marcos, Liminha, Cabrita, Célio e Alcides.

 

Castilho se antecipa e defende mais uma bola em clássico entre o seu Fluminense e Vasco no Maraca. Vemos chegando no lance Carlos Alberto Torres pelo Flu e Célio pelo Vasco

 

Célio, em sua época de Nacional do Uruguai, sendo entrevistado pelo repórter Deni Menezes.

 

Aqui, confira Célio em sua linda João Pessoa (PB).

 

Pelo Timão, foram apenas 26 jogos e quatro gols marcados.

 

Célio fazia sucesso com a exportação de frutas brasileiras, principalmente as exóticas.

 

Em 1965, nos vestiários do Maracanã, o Vasco homenageia o grande Célio (segurando a "premiação"). O terceiro, da esquerda para a direita, é o técnico Zezé Moreira.

 

Foto tirada no Parque São Jorge no dia 06 de setembro de 1970. Naquele domingo, o Corinthians bateu a Ferroviária por 2 a 0 com gols de Suingue e Benê, um em cada tempo. Oito mil pessoas estiveram no estádio. O jogo foi arbitrado por Dulcídio Wanderley Boschillia. Em pé estão Ditão, Pedrinho, Ado, Luis Carlos, Miranda e Suingue; agachados vemos Ivair, Buião, Célio, Rivellino e Tião. O repórter atrás de Ivair é o querido e saudoso Osvaldo dos Santos, de passagens marcantes pela rádio Bandeirantes e pelo jornal "A Gazeta Esportiva"

 

Foto rara. Veja uma das quatro seleções que Vicente Feola treinou (muito mal) no primeiro semestre de 1966 com vistas à Copa da Inglaterra. Lá, demos vexame em Liverpool. Em pé: Murilo, Fábio, Djalma Dias, Edson Cegonha, Sebastião Leônidas e Dudu. Agachados: Pai Santana, Jairzinho, Célio, Tostão, Lima e Ivair.

 

Em pé: Marcelo, Paulinho de Almeida, Brito, Odimar, Barbosinha e Pereira. Agachados: João José (à época chamado também de Joãozinho), Altamiro, Célio, Lorico e Paulo Dias.

 

Em pé: Bugre, Dudízio, Esmeraldo, Sula, Miguel e Macedo. Agachados: Saul, Marcos (ex-Corinthians), Mairiporã, Célio e Alcides.

 

Em pé: Miltão, Joel, Caxias, Maranhão, Fontana e Barbosinha. Agachados: Mário Tilico, Célio, Saulzinho, Lorico e Zezinho

 

Cordialidade: antes de um Vasco e Bangu no Maracanã, Bianchini (à direita) cumprimenta Célio

 

Vasco da Gama em 1963, em pé aparecem Altamiro, Célio e Lorico, e agachados estão Sabará e Maurinho, foto da Revista do Esporte, 244

 

O goleiro Lévis e Célio brincando para a foto durante treino do Vasco. Reprodução: Rvista do Esporte, número 370, de 1965

 

Logo oficial do centenário do Jabaquara.

 

Formação do Nacional-URU, no início dos anos 70. O goleiro Manga é o segundo em pé, da esquerda para a direita. Enquanto Célio Taveira é o terceiro agachado

 

O repórter Denis Menezes da Rádio Globo entrevistando Célio ex-Vasco, Corintians, Seleção Brasileira, que na época atuava pelo Nacional de Montevidéu. Foto enviada por José Eustáquio

 

José Carlos Gomes, Hilário Garcia (o Hilário do Jabuca) e Célio Taveira em novembro de 2014, no salão de Hilário do Jabuca. Foto enviada por Eduardo Silva

 

Em novembro de 2014, no salão de Hilário Jabuca, em Santos. Foto enviada por Eduardo Silva

 

Na década de 60 e em 15 de novembro de 2014. Foto à direita: Gabriel Santana

 

Em 15 de novembro de 2014, na festa do Centenário do Jabaquara, em Santos. Foto: Gabriel Santana

 

Em 15 de novembro de 2014, Marcos e Célio Taveira na festa do Centenário do Jabaquara, em Santos. Foto: Gabriel Santana

 

Capa da Revista do Esporte número 244, de 9 de novembro de 1963. Ataque do Vasco (após a volta de Maurinho para o futebol brasileiro): da esquerda para a direita, em pé: Altamiro, Célio e Lorico. Agachados: Sabará e Maurinho. Foto enviada por José Eustáquio

 

Sobre o autor

Milton Neves é jornalista profissional diplomado, publicitário, empresário, apresentador esportivo de rádio e TV, pioneiro em site esportivo no Brasil, 1º âncora esportivo de mídia eletrônica do país, palestrante gratuito de Faculdades e Universidades, escrivão de polícia aposentado em classe especial, pecuarista, cafeicultor e é empresário também no ramo imobiliário.

Blog do Milton Neves